Resenha: Divergente

Divergente
Divergente
de Veronica Roth,
editora Rocco.

Rocco

Mais um livro distópico. Mais um livro distópico que fez MUITO sucesso no mundo inteiro. Mais um livro que esperei passar o grande bafafá (e o lançamento do último volume) para poder ler. Zero arrependimento de ter esperado.

Aos 16 anos, Beatrice Prior precisa enfrentar a escolha mais importante da sua vida: decidir em qual facção passará o resto de seus dias. E isso só é necessário porque o mundo como conhecemos não existe mais, e a Chicago atual é dividida em cinco facções que são responsáveis por manter a ordem das coisas.

A Amizade é o grupo formado por aqueles que culpavam a agressividade pelos problemas do mundo; a Franqueza, com sua honestidade excessiva, rendeu líderes confiáveis para a Justiça; os que culpavam a ignorância formaram a Erudição; os que acreditavam na culpa do egoísmo formaram a Abnegação, com líderes justos e altruístas; e a Audácia, que desprezava a covardia, ficou responsável por proteger a todos.

Na Cerimônia da Escolha, cada jovem precisa decidir se vai continuar na facção na qual nasceu e foi criado ou se vai investir em uma nova jornada, deixando para trás a família e os amigos – afinal, facção antes do sangue.

Para ajudar nesse momento difícil, todos eles passam por um teste direcional. Mas, no caso de Beatrice, a resposta não poderia ser mais assustadora: ela simplesmente não se encaixa em uma facção. É uma Divergente e, como tal, corre grande perigo – afinal, ela não pensa como os demais.

Ainda assim, lutando com sentimentos conflitantes, ela opta por fazer parte da Audácia e tornar-se uma daquelas pessoas ousadas que sempre admirou de longe. Mas as coisas não são tão fáceis e, em sua nova facção, ela precisará passar por um processo de iniciação rígido e perigoso.

Com testes físicos, emocionais e mentais, a preparação para se tornar membro da Audácia pode ser mortal e apenas os melhores poderão ficar. Aos que fracassarem o destino é virar um sem-facção, uma espécie de escória, caso sobrevivam.

Com tanta pressão sobre si, ao mesmo tempo em que tenta entender os perigos de ser Divergente, Tris busca completar sua iniciação com sucesso. Com novos amigos, mas também cercada de novos inimigos, ela vai perceber que passar por isso não é só questão de honra, mas de sobrevivência.

Veronica Roth tem muito potencial, isso é inegável. Tris é uma protagonista interessante e verossímil – tanto que, às vezes, queremos sacudi-la para ver se acorda. Não é a pessoa mais empática do mundo, mas é fácil torcer para ela.

A família Prior, os líderes das facções, os outros adolescentes… Todos têm características críveis, de pessoas que conhecemos hoje, o que nos faz amá-los e odiá-los de acordo com suas ações. Mas, por incrível que pareça, o personagem mais complexo e bem construído da história é Quatro, um dos responsáveis por treinar os iniciandos e um cara que acaba despertando sentimentos (conflitantes, às vezes) em Tris.

Gostei da história e me senti envolvida, especialmente a partir do momento que a protagonista descobre que há algo maior por trás dos recentes desentendimentos entre as facções. Essa é a parte mais interessante do livro – e a mais comum na literatura distópica.

Justamente por isso fiquei chateada por toda a comoção e ação de verdade só acontecer nas últimas 100 páginas. Coisas complexas foram resolvidas com certa facilidade e explicações acabaram sendo dadas superficialmente, mas acredito que isso seja reflexo da série ser uma trilogia e não livro único.

Apesar de ter gostado (mesmo com as ressalvas acima), não acho que Divergente tem o mesmo poder de Jogos Vorazes. Enquanto a história de Katniss Everdeen é bastante focada na parte política, mas sem deixar de lado os dramas pessoais da protagonista, Divergente é principalmente sobre Tris.

Com os acontecimentos do final do primeiro livro tenho certeza que a tendência da história é ganhar mais densidade. Mesmo achando que está um nível abaixo da qualidade da história de Suzanne Collins (ao menos por enquanto), estou realmente animada para os próximos volumes – e juro que não é só pelo Quatro. ;)

  1. Eveline Thalita disse:

    Oi Juh!!

    Muito comentada mesmo esta trilogia. Não está na minha lista de leitura, mas gostei da sua resenha e acredito que logo terei oportunidade de conferir todos os detalhes desta história.

    Abraços

  2. Joice disse:

    Oi Ju, eu nao consigo comparar Jogos Vorazes com Divergente, não sei explicar direito mas sinto bem diferente.

    O Beatrice “Pior” la do começo foi proposital? hahaha

    Bem, fiquei bem fã da trilogia e como disse no meu comentário anterior, mesmo o filme tenha sido “fraco” eu gostei ;)

    Beijos Joi Cardoso
    Estante Diagonal

  3. Vanessa Grandin disse:

    Juh…já li esse livro tem um tempinho e li Insurgente também ! Eu gostei da história, da ideia da autora, achei muito bom e tal, mas pra mim também não supera Jogos Vorazes!
    Estou com receio de ler Convergente pelas opiniões de tantos blogueiros que odiaram o final da série..mas irei ler sim..não tão já, mas quero saber como tudo termina !
    Já li várias resenhas sobre esse livro, mas a sua está sensacional! Simples, objetiva e muito bem explicada ! Parabéns !

  4. Crislane Barbosa disse:

    Oi!
    Juh adorei sua resenha.
    Para mim as duas distopias são diferentes, como a Joice disse acima, não consigo ligar as duas, a não ser ao próprio tema: distopia.
    Já assistiu ao filme?
    beijão!!

  5. Hoje indo ao sebo, vi a coleção da Veronica Roth e quase comprei. “Quase” porque tinha outros livros que estava doida para ler antes desses, e situação de brasileiro é complicada :/ kk
    Ultimamente houve muitas comparações de Divergente com Jogos Vorazes, até mesmo da Shailene com a Jennifer Lawrence, mas acho que cada um é único e muito bom, sem dúvidas! :)

    Beijos

    http://nodivadaverdade.blogspot.com.br/

  6. Olívia disse:

    Oi Juh!
    Adorei a resenha.
    Esse primeiro livro da série é realmente a introdução no mundo, acredito ser por isso também que a ação comece depois das 100 primeiras páginas, a gente vê mais envolvimento e esclarecimentos a partir do segundo livro. Eu não li Jogos Vorazes na verdade, o mesmo felling que você teve com Divergente eu tive pelo Jogos Vorazes, mas com certeza irei le-lo também. Em alguns momentos a Tris me irritou muito, e com CERTEZA o Tobias é o melhor personagem da saga, bem complexo, de “cara limpa” se assim podemos dizer, e o que me trouxe muito mais sentimento, muito mais até que a Tris. Achei que faltou muita coisa no filme também, principalmente sobre a iniciação, que é a parte mais fundamentada no livro, mas gostei da produção como filme, gostei do final que fizeram, apesar de ser diferente em alguns aspectos do livros, para quem não leu o livro antes acredito que não terão problemas como eu!hahahhaha

  7. Cami Rocha disse:

    Quando eu li “Divergente” eu fiquei bem doida! OMFG QUE ANIMAL e talls, todas aquelas mortes e ação no fim do livro. Mas, daí, li a continuação e dei uma brochada… a Tris é tão legal no primeiro volume, no segundo a personagem fica cheia dos mimimi e parece que saiu da Malhação u__u

    Tô querendo ver o filme, ainda não consegui ver. Quatro <3

  8. Raquel disse:

    Oi Ju,
    Eu gostei desse livro tanto quando dos Jogos Vorazes principalmente pela história das facções e realmente a ação está nas ultimas paginas mas quem sabe nos proximos volumes o que vamos ter ne?
    Beijos
    Raquel Machado
    Leitura Kriativa
    http://leiturakriativa.blogspot.com.br/

  9. Suane Cruz disse:

    Olá, sou leitora do livros e bolinhos a um boooom tempo, mas não sou muito de comentar, mas gostei bastante da sua resenha desse livro, tenho ouvido muitos elogios mas muitas críticas também, e depois da sua resenha Juh me empolguei pra ler, vou comprar e ver no que dá, kkk.
    beijinhos.

  10. Ana Beatriz disse:

    Oi Juh! Adorei a sua resenha…Eu estou lendo Divergente, e com essa sua resenha só fiquei com mais vontade de terminar logo o livro! Bjs!!! <3

  11. Gicélia Ribeiro disse:

    Amei a resenha, sucinta e muito clara! Gosto muito da trilogia Divergente (principalmente por causa de Quatro, a personalidade dele é bem mais trabalhada nos três livros do que a da Tris). Não posso compará-la ainda a Jogos Vorazes porque ainda não li a trama de Suzanne Collins. Mas em relação aos filmes, Jogos Vorazes é bem melhor, infelizmente o filme Divergente não fez jus ao livro.
    Em relação ao personagem Tris, Veronica Roth foi muito má com ela, em Insurgente a Tris é bem chata, se perde um pouco da personagem que foi em Divergente, em Convergente a personagem melhora muito e passo a gostar mais dela, mas aí a Veronica resolve cagar tudo no final kkkkkkkkkkkkkk.

  12. Thatá Rory disse:

    Todo mundo comentando e eu também fiquei com medo de ler,pois há sim a comparação com Jogos Vorazes, uma série que amei e depois detestei.
    Comecei a ler esse livro essa semana,estou bem no comecinho mesmo e ainda não sei o que esperar.

    http://lendoebebendo.blogspot.com.br

  13. Viviane Julio disse:

    Oi Juh, li Divergente no mês passado, no começo me incomodei um pouco, pois não conseguia tirar Jogos Vorazes da cabeça (apesar de eu ainda não ter lido nenhum da trilogia Jogos Vorazes, só vi o filme)…bom, mas enfim, depois acabei me envolvendo mais na história, amei de verdade, acho que não tenho nenhum ponto negativo pra falar, gostei bem mais do que Jogos Vorazes, sem dúvida. Super beijo e até mais.

  14. Rafaela. disse:

    Oi, Juh :)

    Gosto muito, muito mesmo dessa trilogia. Mas concordo contigo, a narrativa foca exaustivamente na Tris, o que a torna um pouco cansativa às vezes.Especialmente pela Tris não ser a personagem mais cativante do mundo literário – eu, assim como você, amei o Quatro e tudo o que ele representou ao longo dos três livros. De longe, ele é o meu personagem favorito.

    Beijocas.
    http://artesaliteraria.blogspot.com.br

  15. Valt disse:

    Gosto muito de divergente, achei Insurgente um pouco menos empolgante. Convergente tem um desfecho bem polemico

  16. Marcos Prado disse:

    O livro é mais um best-seller com uma distopia- algo que está se tornando clichê dentre o universo teen. O livro começa bem estruturado ,mas vai perdendo o folego e tem um desfecho muito aquém das minhas expectativas.Não posso negar a qualidade do livro , mas o final ficou parecendo desfecho de desenho animado- salvo á carga emotiva dos personagens. Um abraço.

  17. Ana Carla disse:

    Li a trilogia toda e a mesma coisa se repete no 3! Eles só ficam bons no final!! Acho q a escritora enrola muito pra chegar ao ponto!
    Acaba que este é um dos raros livros onde é melhor ver o filme…
    E a Tris não é nem metade da personagem que a Katnis é… então comparar os 2 livros é até covardia!!
    Me interessei pelo livro pq me disseram que seria o próximo Jogos Vorazes!! É… Só que não!!

  18. Tenho um medo gigante de ler esse livro. Primeiro pelo motivo que (imagino eu) todos pensam: Será que é tão parecido com Jogos Vorazes? Sou apaixonada pela série da Suzanne Collins e acho que ia ser meio decepcionante algo parecido, sabe?
    Mas por outro lado, tanta gente gosta que da um desejinho… Não sei, vou adiando mesmo sem perceber.

  19. Olá Juh, tava com saudadee :)
    Ainda não li o livro, mas vi o filme e gostei demais. To ate com medo de ler o livro e parar de gostar do filme,hehe, porque sei que será beeem melhor. Adoreei a resenha, assim que puder vou ler.

    Beijo grande *-*

  20. Isabele Cristina Magiore disse:

    História Maravilhosa! Estou loucamente louca pra ler!

  21. isabela disse:

    acho que a uma grande diferenca entre os dois filmes e amei divergente e ja estou lendo o seguno livro e n estou mais nem ai pra jogos vorazes kkkkk ja assisti o filme 12 vezes em uma semana e li o livro inteiro tbm em uma semana

  22. Lucianna disse:

    Oiiii!
    Eu gostei bastante da trilogia. Me identifiquei bastante com a Tris.
    Do filme, só gostei do Theo James mesmo hahaha
    Leia o restante e depois diga o que achou num todo.
    Bjão recifense de sua leitora assídua.

  23. Rafaele Lima disse:

    Por favor …pare com essa besteira de ficar comparando os livros cada um tem o seu poder de leitura …adoro os dois livros sou fa dos dois e acredite nao é legal ficar fazendo isso nenhuma pessoas gosta disso sejam os fas,os atores do filme,os escritores,etc…
    Bom o filme nao foi fraco foi a mesma coisa do livro e os atores sao otimos dos dois filmes (quedinha por shai,e tambem pelo josh kkk)
    E não achei parecido com jogos vorazes,as pessoas diziam q era tudo igual mas a unicas coisas sao que as protagonistas sao mulheres e lutam e divididos em grupos mas como vc mesmp disse um é focado na politica e outro é mais nela mesmo…
    ***
    BOM aqui fui eu como leeitora dando minha opniao ADOREI DE MAIS o blog BEIJOS
    JOGOS VORAZES TA CHEGANDO SEMANA Q VEM A ESPERANÇA UHUUUL QUEM VAI??

    Editado para a remoção de spoilers

    • Juh Oliveto disse:

      Rafaele,
      Como leitora, tenho o direito de dar minha própria opinião da forma que achar melhor, comparando ou não.
      Por favor, da próxima vez tenha mais respeito por quem ainda não leu, não venha aqui contar o final da série. Só soma pontos contra, combinado?
      Gosto é gosto, fico feliz que você seja superfã, mas esse primeiro livro não ME agradou tanto assim.
      Beijocas.

  24. Aline disse:

    gosto muito desse livro <3 ótima resenha, parabéns!

  25. Isabella disse:

    Lucianna , querida , só um aviso o Theo é meu .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *