Resenha: Anardeus – No Calor da Destruição

Anardeus
Anardeus – No Calor da Destruição
de Walter Tierno,
editora Giz Editorial.

Quem acompanha o blog há mais tempo já deve ter tido a oportunidade de ler minha resenha de Cira e o Velho, ou ter me ouvido falar dele em algum vídeo – sempre cito ao falar de livros nacionais!

O primeiro livro do Walter é sensacional e me ganhou de cara, não só pela história, mas também pelas ilustrações. Então, quando (finalmente) tive a oportunidade de encontrar o autor na Bienal do Livro de SP, em agosto/setembro, aproveitei para garantir um exemplar de sua segunda obra – devidamente autografado e com um desenho especial.

Anardeus nasce logo após sua bela e adorável irmã, Isabel. Ainda crianças, os dois são acometidos por uma estranha doença que o faz sentir frio o tempo todo, enquanto sua irmã sente um calor intenso. Como os dois lados de uma mesma moeda misteriosa.

Detestando o mundo da mesma forma que ele o detesta, Anardeus só se sente bem e confortável – aka aquecido – em meio ao caos, aos horrores e destruição de uma tragédia. E é isso que busca o tempo inteiro, causando, sem um pingo de remorso, terríveis problemas em São Paulo.

No meio de tanto ódio e indiferença, apenas a quente e amada Isabel é seu ponto de segurança, aquela para quem vale a pena continuar respirando e a única figura em quem pode confiar. Quer dizer, ela e a misteriosa amazona que sempre o acompanha nos momentos derradeiros, mas sobre a qual não fala com ninguém.

O livro é narrado por três pessoas: Anardeus, Isabel e o fotógrafo – que aparece mais à frente, mas é muito importante. Os personagens nos despertam emoções conflitantes e absolutamente intensas. É impossível ser indiferente a qualquer um deles… Mas o homem-título do livro é o pior de todos. Ou melhor.

Anardeus é repulsivo, absurdo, faz coisas cruéis gratuitamente, tem uma relação nojenta [na minha opinião] com a irmã, e é uma criatura absolutamente escrota – com o perdão da palavra. Odiei com toda a minha força e achei que seria impossível gostar de um livro com tal sentimento pelo protagonista.

Só que aí entra a maestria de Walter Tierno que, em 180 páginas, construiu uma história absolutamente envolvente e impactante. É arrebatadora de uma forma estranha. Atrai e repele na mesma medida, e incomoda – MUITO!

Com uma escrita objetiva, porém completa, o autor mexe conosco da forma como só os melhores livros são capazes. Com descrições completamente blasés e atitudes totalmente livre de pudores e julgamentos, seus personagens não ganham nossa simpatia. Ao contrário. Tirando o fotógrafo, odiei todos com toda a minha força – e, mesmo assim, o cara não é esse amor todo.

E é incrível como uma história pesada e com personagens que nos afastam foi capaz de me deixar grudada do início até o final. Com muitos palavrões (não gratuitos) e desastres horríveis, Walter nos seduz e leva para perto de pessoas detestáveis, mas que fazem o conjunto da obra maravilhoso. E, para completar, ganhamos belíssimas ilustrações do autor.

Um livro para adultos, perfeito para ler de uma vez só. Mas, prepare-se, você precisa ter estômago. E vai valer cada página!

Espero ver muita coisa do autor por aí, ele realmente sabe o que faz! E, como o próprio me disse no autógrafo: “O perigo não é ver Anardeus, mas compreendê-lo”. Ele tem toda razão.

  1. Rodrigo disse:

    Não sei se teria estômago pra ler esse livro. De qualquer forma, a resenha chama a atenção para que o livro seja lido por quem ainda não leu.

  2. Elida Malheiros disse:

    Nossaaaa, agora fiquei curiosa Juh! haha
    Esses livros conflitantes me dão nos nervos! Pelo que vi é só raiva do personagem principal do começo ao fim kkk ao menos não acontece o que ultimamente parece que virou uma certa moda nos livros, onde em um capítulo vc ama e no outro odeia o personagem kkk
    Vou coloca-lo na minha listinha, se encontrar ele na livraria vou trazer sim, além do mais 180 páginas passam rapidinho e vão mexer muito com a minha imaginação de acordo com sua descrição.
    Ótima resenha Juh!

    Beijinhos :*

  3. Cláudia Schumacher disse:

    Olá!!
    Fiquei muito curiosa com esse livro, eu ainda não tive oportunidade de ler nada do Walter, mas sempre que possível acompanho seus videos e tudo mais.É um pouco estranho amar o livro e odiar o personagem, mas eu acho que te entendo.
    Pretendo lê-lo, fiquei muito curiosa mesmo.
    Beijos

  4. É uma obra bem diferente do habitual, né? Eu gostei da capa e não conhecia o autor e a obra, mas não me senti interessa pela história.
    Eu tenho quase 90% de certeza de que não gostaria desse livro, então…eu passo!

  5. Eveline Thalita disse:

    Juh, que livro é esse?! Fiquei muito curiosa, mas indecisa se devo ou não lê-lo… Bem diferente das narrativas que costumo ver. Sua resenha me instigou de tal maneira…Acredito que seja produto do livro.

    Abraços indecisos

  6. Tati Lemos disse:

    Adorei o blog e as resenhas, tudo muito bonito por aqui.
    Fiquei uper a fim de ler, não somente esse, como outros livros aqui.

    Escrevo resenhas também, fique a vontade para me visitar.
    http://www.portiprati.com/

    beijo na testa!

  7. Gleydson disse:

    Que bom que a história se passa no Brasil, porque é tão chato ver escritores ambientando suas histórias em outros países, tendo um país tão belo como o nosso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *