Falando de… Nicholas Sparks no RJ (de novo)! \o/

YUHUL! Mais uma aventura literária e missão cumprida com louvor!
No vídeo abaixo você acompanha minha saga com a Natália, do Perdida na Biblioteca, em busca das tão disputadas senhas para ver o Nicholas Sparks. Sim, de novo.

Se você não viu, clica aqui pra assistir como foi meu primeiro encontro com ele, lááá em 2010! <3 AH, nesse dia perguntei sobre uma personagem brasileira... E ela vai vir no próximo livro. UHUUUUL!

E o vídeo da Nat ficou tão legal que não posso deixar de compartilhar com vocês também… Apertem o play!

Agora que você já curtiu com a gente, aproveite para se inscrever no sorteio e levar para casa UM EXEMPLAR AUTOGRAFADO DE DOIS A DOIS! ;)

a Rafflecopter giveaway

  1. Ingrid disse:

    Fiquei confusa, você acha os livros uma merda mas já o viu três vezes e ficou tremendo ao ve-lo novamente? Ok, opinião sua. Achei a parte do “Essas pessoas são muito estranhas e sem noção” meio falta de respeito. Cada um sente algo diferente e demonstra de formas diferente. Não é porque pessoas dormiram na fila que elas são sem noção, não é pq vieram de longe que são sem noção. Talvez esse fosse o sonho de alguém! Em relação a contagem regressiva, não foi “brega”, foi a maneira que as pessoas que passaram horas na fila encontraram para comemorar a primeira etapa! Enfim, cada um com sua opinião!

    • Juh Oliveto disse:

      Ingrid, você não entendeu: o último livro dele, No Seu Olhar, foi uma porcaria pra mim. “Vamos fingir que o último livro dele não foi uma bosta” foi o que eu disse. Inclusive tem resenha aqui no blog sobre isso. E de todos os outros livros dele também. O fato de eu amar um autor não me obriga a amar todos os livros dele – ainda bem. :)

      Em momento algum usei termos como “estranhas e sem noção”, não sei que vídeo você acha que assistiu, mas não foi o meu. Achei a contagem regressiva “peculiar” e “engraçada”, como disse. Também fiquei horas na fila e não me senti representada por essa contagem, tenho o direito de não gostar das coisas, oras. Morri de rir porque fiquei “sério isso?”. Mais uma vez: meu direito. Eu era parte daquele momento e quis rir, ué. Você tá inventando um monte de termos e colocando um monte de palavras na minha boca. Em determinado ponto disse que ali tinha “umas bizarrices difíceis de engolir”, mas isso porque vi absurdos acontecendo na fila – meu direito de opinar, ué.

      Como também comentei no final, a “histeria toda não combina comigo” e não combina mesmo. Você é alguém que não em conhece, que aparentemente nem viu direito meu vídeo e está falando um monte de coisas aleatórias. Opiniões são livres, claro, mas desde que sejam embasadas e façam algum sentido – o que não foi o caso do seu comentário.

      Tomei o cuidado de assistir de novo meu vídeo para te responder e, de fato, comprovar que você não fez o mesmo. Uma pena, mas acontece.

      Beijocas!
      Juh Oliveto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *