Lista: 5 livros que não li, mas sei que vou amar

Coluna nova no blog! Vou tentar fazer várias listinhas dessas com livros parados na estante e sobre os quais nunca falei antes.
A primeira foi fácil: 5 livros que ainda não li, mas que tenho CERTEZA que vou amar quando o fizer. Aperta o play! ;)

Resenha em vídeo: Confesse


Confesse
de Colleen Hoover,
editora Galera Record.

Sinopse: Auburn Reed perdeu tudo que era importante para ela. Na luta para reconstruir a vida destruída, ela se mantém focada em seus objetivos e não pode cometer nenhum erro. Mas ao entrar num estúdio de arte em Dallas à procura de emprego, Auburn não esperava encontrar o enigmático Owen Gentry, que lhe desperta uma intensa atração. Pela primeira vez, Auburn se vê correndo riscos e deixa o coração falar mais alto, até descobrir que Owen está encobrindo um enorme segredo. A importância do passado do artista ameaça acabar com tudo que Auburn mais ama, e a única maneira de reconstituir sua vida é mantendo Owen afastado.

Outros livros citados:

Resenha em vídeo: Até Que A Culpa Nos Separe


Até Que A Culpa Nos Separe
de Liane Moriarty,
editora Intrínseca.

Sinopse: Amigas de infância, Erika e Clementine não poderiam ser mais diferentes. Erika é obsessivo-compulsiva. Ela e o marido são contadores e não têm filhos. Já a completamente desorganizada Clementine é violoncelista, casada e mãe de duas adoráveis meninas. Certo dia, as duas famílias são inesperadamente convidadas para um churrasco de domingo na casa dos vizinhos de Erika, que são ricos e extravagantes.

Durante o que deveria ser uma tarde comum, com bebidas, comidas e uma animada conversa, um acontecimento assustador vai afetar profundamente a vida de todos, forçando-os a examinar de perto suas escolhas – não daquele dia, mas da vida inteira.

Outros livros citados:

Resenha em vídeo: O Filho Eterno

O Filho Eterno
O Filho Eterno
de Cristovão Tezza,
editora Record.

Sinopse: Num livro corajoso, Cristovão Tezza expõe as dificuldades, inúmeras, e as saborosas pequenas vitórias de criar um filho com síndrome de Down. O autor aproveita as questões que apareceram pelo caminho nestes 26 anos de Felipe para reordenar sua própria vida: a experimentação da vida em comunidade quando adolescente, a vida como ilegal na Alemanha para ganhar dinheiro, as dificuldades de escritor com trinta e poucos anos e alguns livros na gaveta, e a pretensa estabilidade com o cargo de professor em universidade pública.

Com precisão literária para encadear de maneira clara referências de anos e situações tão díspares, Cristovão Tezza reforça, com a publicação de O filho eterno, seu lugar entre os maiores escritores brasileiros.

Leituras do mês! [Junho/2017]

Banner Leituras do Mês peq

Mês de poucas, mas boas leituras! O importante é não parar de ler. ;)

Leia mais…